Google+ CAFU Prestigia o autor Aluisio Nogueira de Rabiscos de Deus - Saiba + sobre esse grande esportista e ser humano - Rabiscos de Deus - Romance de Aluisio Nogueira

sábado, 9 de novembro de 2013

CAFU Prestigia o autor Aluisio Nogueira de Rabiscos de Deus - Saiba + sobre esse grande esportista e ser humano


O Jogador Cafu (Seleção Brasileira) prestigia o autor Aluisio Nogueira de Rabiscos de Deus =- Editora Novo Século - Selo Ágape. 

O Livro deve virar filme nas telonas do cinema e está bem cotado no mercado editorial com poucos dias de seu lançamento. 





O Jogado que é ídolo do esporte mais popular do Brasil, é também um homem voltado para as causas sociais. A Fundação CAFU auxilia e apoia jovens no Brasil.
Conheça mais sobre a Fundação Cafu: http://fundacaocafu.org.br/novo/index.php?n=1


Conheça mais sobre esse Homem que vai muito além de um Jogador de Futebol e esportista, mais é exemplo para os jovens brasileiros de alguém que luta  vence na vida com humildade e perseverança:

Nome de Batismo : Marco Evangelista de Morais  -    O CAFU:

Nascimento: 07 de junho de 1970, em São Paulo, SP, Brasil.

Posição: Lateral-direito

Clubes: São Paulo-BRA (1988-1994), Real Zaragoza-ESP (1994-1995), Palmeiras-BRA (1995-1997), Roma-ITA (1997-2003) e Milan-ITA (2003-2008).

Principais títulos por clubes: 2 Mundiais Interclubes (1992 e 1993), 2 Copas Libertadores da América (1992 e 1993), 2 Recopas Sul-Americana (1993 e 1994), 1 Supercopa da Libertadores (1993), 1 Campeonato Brasileiro (1991) e 3 Campeonatos Paulista (1989, 1991 e 1992) pelo São Paulo.

1 Recopa da UEFA (1995) pelo Real Zaragoza.

1 Campeonato Paulista (1996) pelo Palmeiras.

1 Campeonato Italiano (2001) e 1 Supercopa da Itália (2001) pela Roma.

1 Mundial de Clubes da FIFA (2007), 1 Liga dos Campeões da UEFA (2007), 2 Supercopas da UEFA (2003 e 2007), 1 Campeonato Italiano (2004) e 1 Supercopa da Itália (2004) pelo Milan.

Principais títulos por seleção: 2 Copas do Mundo (1994 e 2002), 1 Copa das Confederações (1997) e 2 Copas América (1997 e 1999) pelo Brasil.

Principais títulos individuais:

Bola de Prata da Revista Placar: 1992 e 1993

Jogado Sul-Americano do Ano: 1994

FIFA 100: 2004

“Teimoso, craque e quebrador de recordes”

Uma. Duas. Três. Quatro. Cinco. Seis. Sete. Oito. Imagine você ser reprovado em oito peneiras de clubes logo no início de sua carreira como futebolista. Terrível, não é mesmo? Seria a deixa para desistir e partir para outra carreira? Para muitos, sim, mas para Marcos Evangelista de Moraes, o Cafu, de jeito nenhum! O craque e capitão do pentacampeonato mundial do Brasil, em 2002, foi exemplo de perseverança e conseguiu superar os obstáculos para se tornar um dos maiores jogadores do futebol mundial. Ícone do melhor São Paulo de todos os tempos, lateral que deu à Roma um título nacional depois de mais de uma década e soberano na lateral direita do Brasil por 10 anos, Cafu fez história com seus números, recordes e regularidade. Cheio de fôlego, polivalente e líder, o jogador deixou até hoje a seleção brasileira carente na lateral-direita. É hora de relembrar a trajetória do maior “teimoso” do futebol.

Força de vontade

Nascido em São Paulo, Cafu viveu no Jardim Irene com seus pais e irmãos e, desde os sete anos de idade, passou a viver, também, com a bola. O pequeno jogador tentou a todo custo ingressar em uma grande equipe, mas não foi fácil. Cafu foi dispensado no São Paulo, Nacional, Portuguesa, Corinthians, Palmeiras, Santos e até no Atlético-MG. Apenas em 1988, finalmente, o jovem foi admitido no São Paulo e começou a mostrar suas qualidades: polivalência, velocidade, fôlego e muita técnica. Em 1989, começou a integrar o time profissional e fez parte do elenco campeão paulista daquele ano. Mas sua trajetória começaria a mudar definitivamente com a chegada do novo técnico do tricolor: Telê Santana.

 Assista e conheça essa maravilhosa história: Romance
Lapidando um craque


Com a chegada de Telê, Cafu passou a ter mais chances na equipe titular e virou um faz tudo no time como meia, lateral e até atacante, vestindo a camisa 11. No São Paulo, Cafu teve seu talento lapidado por Telê e passou a ser peça fundamental no esquema tático do tricolor, além de ser titular absoluto. Em pouco tempo, ganhou fama, títulos e garantiu seu lugar no time do Brasil que foi tentar o tetracampeonato da Copa do Mundo, nos EUA.


Campeão mundial

Cafu já sabia o que era ser campeão do mundo em 1994, pelo menos quando o assunto era clubes, afinal, ele já era bicampeão mundial pelo São Paulo. Mas isso nem se comparava a uma Copa do Mundo. O jovem foi reserva na trajetória do Brasil, mas entrou em vários jogos, inclusive na final da Copa, contra a Itália, no lugar do contundido Jorginho. Ele foi eficiente, não sentiu a responsabilidade e ajudou o Brasil no empate em 0 a 0. Nos pênaltis, deu Brasil, e Cafu se tornou campeão mundial. Mal sabia ele que aquela seria apenas a primeira de suas três finais de Copa.


Ainda em 1994, Cafu foi eleito o melhor jogador da América do Sul, coroando a sua passagem impecável pelo São Paulo, onde venceu 11 títulos, com destaque para dois Mundiais, duas Libertadores e um Campeonato Brasileiro. No tricolor, Cafu venceu, também, duas Bolas de Prata da Revista Placar. Tanto sucesso, claro, despertou a cobiça do futebol europeu, que aproveitou o auge do craque, e do início do declínio do São Paulo, para levá-lo. O felizardo foi o Real Zaragoza, da Espanha.



Breve passagem, mas com caneco


Cafu ficou apenas uma temporada na Espanha, mas o suficiente para vencer um título: a extinta Recopa Europeia, de 1995, que reunia os times vencedores de Copas de diversos países. O brasileiro não teve muito espaço no time e aceitou uma proposta do Palmeiras da Parmalat, para onde o jogador foi, em 1996.



Estrela no ataque dos 100 gols


Cafu brilhou ao lado de craques como Rivaldo, Luizão, Velloso e companhia e venceu o Campeonato Paulista de 1996 com o Palmeiras, em uma campanha memorável do time alviverde, que ficou conhecido como o ataque dos 100 gols, por sapecar os adversários com goleadas marcantes. Mas o lateral teve uma decepção tremenda quando o mesmo grande Palmeiras perdeu a final da Copa do Brasil para o Cruzeiro, em uma das maiores zebras do futebol nacional da época. A derrota culminou com a saída de vários jogadores do elenco alviverde, que culminaria, também, com a saída de Cafu, que aceitou, em 1997, uma proposta da Roma.






Antes da Itália, a América


Em 1997, Cafu foi titular do Brasil na conquista da Copa América, quando a seleção venceu a Bolívia, por 3 a 1. Sempre preciso no apoio ao ataque, nos cruzamentos e na defesa, o lateral logo virou a referência e peça chave no time brasileiro. Ele era, definitivamente, o melhor lateral-direito do Brasil. E um dos maiores do planeta. No mesmo ano, Cafu venceu a Copa das Confederações contra a fraca Austrália, que levou 6 a 0 do time comandado por Zagallo. A dupla Ro-Ro (Ronaldo e Romário) foi demais para os gringos…

A primeira Copa como titular

Em 1998, Cafu ainda não havia conquistado um título com a Roma, que ainda estava formando o esquadrão que brilharia alguns anos depois, mas o jogador já era renomado e prestigiado pela seleção. Titular, Cafu partiu com a equipe brasileira em busca do pentacampeonato na Copa do Mundo da França. No primeiro jogo, ele foi um dos protagonistas da vitória do Brasil por 2 a 1 contra a Escócia quando participou do segundo gol do Brasil, que foi contra, mas que teve uma ajudinha do brasileiro, que comemorou com uma cambalhota meio desajeitada. A seleção seguiu firme rumo à final com apresentações convincentes (3 a 0 no Marrocos e 4 a 1 no Chile) e outras dramáticas (3 a 2 na Dinamarca e 1 a 1 com a Holanda, com 4 a 2 nos pênaltis). O Brasil chegava a sua segunda final de Copa consecutiva, assim como Cafu, que já se igualava a craques como Meazza, Krol, Garrincha, Zagallo e outros. Mas a façanha de Cafu não foi tão feliz, pois o filme de 1994 não se repetiu e o Brasil foi sapecado pela França de Zidane por 3 a 0. Ele via a chance do bicampeonato pessoal ruir. Seriam necessários mais 4 anos de espera.






Regularidade. Sempre.


Após a derrota na Copa, Cafu seguiu firme e sempre com o físico privilegiado, o vigor e o apoio constante ao ataque tanto na seleção quanto na Roma. Na Itália, o jogador ganhou o apelido de “Il Pendolino” (o Trem Expresso) por conta de suas arrancadas ao ataque que quase sempre resultavam em cruzamentos e passes precisos aos atacantes. Mas o jogador ficava incomodado pelo fato de ainda não ter vencido nada com a equipe italiana, algo bem diferente dos outros times pelos quais já havia passado. Ficar sem vencer não combinava com Cafu.


Em 1999, na ausência de canecos na Roma, Cafu venceu seu penúltimo título com o Brasil: a Copa América, quando o Brasil venceu o Uruguai na decisão por 3 a 0. A conquista serviu para dar uma animada na torcida do time canarinho depois da decepção na França, além de mostrar um Cafu ainda mais líder e focado na equipe.





Enfim, campeão!


Demorou, mas a grande temporada chegou. Cafu, em 2001, venceu o sonhado Campeonato Italiano pela Roma, um feito para pouquíssimos jogadores, já que a Roma possui tão poucos canecos (o último Italiano havia sido na temporada de 1982/1983). Ele repetiu o feito de Falcão, na década de 80, e levantou o Scudetto exatamente uma temporada depois de a grande rival da Roma, a Lazio, ter sido campeã. A Roma fez uma ótima campanha com 22 vitórias, 9 empates e apenas três derrotas em 34 partidas. O time teve o melhor ataque e a terceira melhor defesa da competição. O destaque foram os embates contra a Lazio, com empate em 2 a 2 e vitória por 1 a 0. Cafu integrou uma grande equipe, ao lado dos brasileiros Aldair, Antonio Carlos, Marcos Assunção e Emerson, e de nomes como Nakata, Montella, Totti, Batistuta, Tommasi, Delvecchio e Candela. A festa em Roma foi absurda e fez Cafu virar ídolo no time. Para coroar uma temporada magnífica, o jogador ainda faturou a Supercopa da Itália, quando a Roma bateu a Fiorentina por 3 a 0. O lateral seguia a rotina de sempre vencer ao menos um título por onde passava. Mas um novo desafio estava prestes a chegar: a Copa do Mundo de 2002.

O capitão do penta

O Brasil chegou desacreditado ao Oriente para a Copa do Mundo de 2002. A grande favorita era a França, então campeã do mundo e da Europa. Porém, o que se viu no Japão e na Coreia foi um fiasco dos franceses (que não venceram nenhum jogo e não marcaram um mísero gol). Já o Brasil mostrou autoridade, sorte e muita união para chegar a sua terceira final de Copa seguida. Além da seleção, Cafu fez história ao ser o primeiro e único jogador a disputar três finais de Copa seguidas. O craque fez um ótimo mundial, apoiou e defendeu com precisão e ainda teve estrela ao assumir a braçadeira de capitão do time por conta da contusão do volante Emerson em um rachão antes do Mundial.


Na decisão contra a Alemanha, o Brasil mostrou força, venceu por 2 a 0, e Cafu fez as duas declarações de amor mais famosas do futebol: o escrito “100% Jardim Irene”, em sua camisa, e o grito “Regina, eu te amo!” antes de levantar o troféu da Copa. Ele foi o pioneiro em subir no palco onde estava o troféu, ficando acima de tudo e todos, gesto repetido por muitos capitães desde então. Cafu chegava ao topo do mundo. E não precisava mostrar nem provar nada a ninguém.





Cafu rossonero


Depois da conquista do penta, Cafu virou uma estrela mundial e passou a ser requisitado por muitos clubes. Após muitas sondagens, o Milan conseguiu contratar o jogador brasileiro, que passou a integrar o esquadrão rossonero em 2003. O lateral seguiu com boas apresentações, ótimos desarmes e muito fôlego. Em 2004, venceu seu segundo título italiano e sua segunda Supercopa da Itália. No ano seguinte, viveu um drama: disputou sua primeira final de Liga dos Campeões, em Istambul, contra o Liverpool, e viu seu time deixar os ingleses empatarem de maneira épica um jogo que era vencido pelo Milan por 3 a 0. Na decisão por pênaltis, o lateral viu o goleiro Dudek se consagrar e o Liverpool levar a taça europeia. Decepção para o brasileiro capitão do penta. Será que ele daria a volta por cima em 2006, na Copa do Mundo?


Adeus à seleção

Na Copa do Mundo de 2006, Cafu não foi nem sombra do craque que jogou demais quatro anos antes. Na época, o lateral Cicinho, que integrava o elenco do Brasil, estava em melhores condições que o capitão, mas não foi titular pela falta de experiência. Cafu, por outro lado, fez do Mundial a ponte para quebrar recordes como o brasileiro com maior número de jogos pela seleção canarinho em Copas: 20 partidas, além de chegar aos 142 jogos pelo Brasil, recorde até hoje. Parece que a quebra de recordes fez com que ele se esquecesse do básico: jogar futebol. Ele, e a seleção como um todo, foram péssimos na Copa, e o Brasil foi eliminado, nas quartas de final, para a França. Acabava ali a trajetória de Cafu à frente do Brasil. Restava a ele seus últimos lampejos no Milan.

Fim de carreira com títulos

Ciente de que estava perto do final da carreira, Cafu fez do ano de 2007 o seu derradeiro no futebol. E foi em grande estilo, mesmo com ele sendo reserva em grande parte da temporada. O Milan acertou contas com dois antigos algozes, o Liverpool e o Boca Juniors, e faturou a Liga dos Campeões da UEFA e o Mundial de Clubes da FIFA em cima dos dois rivais, respectivamente. Cafu, como fez parte dos elencos vencedores, pôde contabilizar mais dois importantes canecos em sua invejável galeria.


Em 2008, Cafu se despediu do Milan com gol, na vitória por 4 a 1 sobre a Udinese. Terminava ali, de maneira quieta e bem sutil, a carreira de um dos maiores laterais do futebol brasileiro. A seleção brasileira busca, desde Cafu, um substituto a sua altura para a lateral-direita, mas está difícil. Daniel Alves, Maicon, Rafael… Nenhum deles conseguiu, até agora, repetir o sucesso de Cafu com a amarelinha. A torcida espera que algum deles consiga, afinal, o futebol nacional precisa de um jogador rápido, eficiente, cheio de fôlego e impecável em cruzamentos e apoio ao ataque e defesa como Cafu. O eterno capitão do penta.
Números de destaque:



Único jogador a disputar 3 finais de Copa do Mundo de maneira consecutiva.

Jogador que mais vestiu a camisa da seleção brasileira em Copas do Mundo: 20 vezes.

Jogador que mais vezes vestiu a camisa da seleção brasileira na história: 142 vezes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Parceiros - Divulgadores - Blogs Femininos

Os melhores links FEMININOS Colmeia: O melhor dos blogs Tedioso: Os melhores links Linkerama: Os melhores blogs da Internet estão aqui! Seus links em um só lugar! Fake - O agregador de links mais Original da Net EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! Tecnogospel: Os melhores links evangélicos Clic+ Os Melhores Links da Internet para Você LinkLog Linka Blog Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!
Permissões

Você está autorizado a reproduzir e divulgar este material em qualquer formato, desde que informe o autor e a fonte, inclusive o nosso blog, sem alterar o conteúdo da matéria original e não utilizar para fins comerciais.

Importante

As opiniões e noticiais aqui divulgadas não refletem necessariamente nossa opinião. Por essa razão, as matérias polêmicas acompanham nossa opinião ao final da matéria. Nós divulgamos as notícias de forma imparcial, com o objetivo de que o leitor tire suas conclusões, porém, deixamos clara nossa posição pelo Genuíno Evangelho de Cristo.

Liberdade de Expressão

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Seguir

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Recomendamos